segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Sondagens e arredores

Deduzo que o PSD nas próximas sondagens vai levar uma valente pancada. Já o CDS é uma incógnita. Mas, nesta altura, uma queda nas sondagens, mesmo que significativa, não é particularmente grave. Excepto se houver eleições antecipadas, ainda há muito tempo no ciclo político em curso. O que significa que, em teoria, o PSD tem ainda tempo para apresentar os resultados práticos das duras medidas de austeridade. É com isso, aliás, que conta Pedro Passos Coelho. Vencida a crise, o Primeiro-Ministro espera chegar a 2015 com outros cenários e com outros indicadores.
Em suma, as sondagens não são motivo para pânico ou alarme. Dito isto, aquilo que verdadeiramente me preocupa é a questão da narrativa oficial vs. realidade. Este crescente distanciamento entre o rumo político e a realidade começa a tornar-se num problema sério. E este problema, a manter-se, arrasará com os planos de Passos Coelho.